Conheça os equipamentos de imagem para detectar câncer de mama

Foto: Kzenon/Canva
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), a cada 100 mil mulheres brasileiras, 43 desenvolvem tumores mamários malignos,

estatística que coloca o câncer de mama em segundo lugar na lista dos mais comuns no Brasil, ficando atrás apenas do câncer de pele não melanoma.

Campanhas e programas de conscientização sobre as formas de prevenção aliados à tecnologia voltada para o desenvolvimento de equipamentos complexos, capazes de diagnosticar e tratar a doença com cada vez mais efetividade, têm sido grandes aliados no enfrentamento desse número que precisa e pode ser diminuído.

O primeiro mamógrafo (equipamento capaz de detectar a presença de tumores não sensíveis ao toque) chegou ao Brasil em 1970. Em 1996, a biópsia a vácuo foi lançada no país, facilitando a coleta de material nos casos de câncer de mama inicial. Para o impacto dessas descobertas, essa evolução aconteceu de forma ágil e estudos como esses não cessaram.

Aliada aos cuidados individuais, que incluem manter os exames em dia e procurar auxílio no caso de se identificar parte do grupo de risco, os equipamentos possibilitaram que a taxa de cura do câncer de mama no Brasil chegasse a 90% quando detectado de forma precoce.

Demonstrada a importância da tecnologia como aliada no tratamento do câncer de mama, você vai conhecer quais são os principais equipamentos de imagem utilizados atualmente na detecção da doença e como funcionam.

Mamógrafo

Foto: SimpleFoto / Canva

Composto por gerador de alta tensão, sistema de controle de posicionamento, placa de compressão da mama, bucky, cabos de alta tensão e tubos de raios-x, o aparelho é capaz de realizar dois tipos de mamografia: a convencional e a digital. Ambas formam imagens a partir da compressão das mamas em duas placas de metal submetidas à radiação de baixo risco. A diferença é que na mamografia convencional fica mais difícil diferenciar as estruturas que têm pouco contraste entre si, enquanto na digital elas ficam bastante evidentes, permitindo um diagnóstico mais preciso. Resumidamente, esse equipamento auxiliará na identificação de imagens tumorais e microcalcificações das mamas.

Ultrassom

Foto: Kzenon / Canva

Formado por um computador, um monitor especial e um transdutor, esse equipamento envia ondas sonoras de alta frequência na região aplicada e a partir disso colhe ecos de retorno e os envia para o computador, que gera as imagens e auxilia na visualização das estruturas e movimentos dos órgãos internos do corpo. Todo resultado é obtido a partir da manobra do transdutor, de forma totalmente indolor.

Ressonância magnética

Foto: MementoImage /Canva

Composto por um imã principal (magneto), bobinas gradiente, bobinas de radiofrequência, sistema receptor de imagem e computador, é considerado o exame com maior sensibilidade se comparado à mamografia e ultrassonografia. A ressonância magnética permite a diferenciação de tecidos saudáveis e não saudáveis a partir de ondas de rádio e emissões de átomos de hidrogênio, que são transmitidas e formam imagens computadorizadas de alta performance.

Compartilhe este post com seus amigos

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments