Porque crescem casos de câncer de mama no Brasil

1
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Segundo relatório de Incidência de Câncer no Brasil, lançado pelo INCA em 2020, devido a piora nos hábitos dos brasileiros nos últimos anos, a previsão é que no triênio 2020-2022 o Brasil tenha

625 mil novos casos de câncer por ano. Como publicado pelo Instituto, essa foi a primeira vez que a pesquisa conseguiu abranger um período de três anos, isso graças à melhora na qualidade das informações registradas, da manutenção das séries históricas e também pelo fato de a doença, por ser crônica, não apresentar mudanças em seu perfil durante pequenos períodos, como um triênio.

Os hábitos apontados como agravantes no relatório são, principalmente:

  • tabagismo;
  • consumo de bebidas alcoólicas;
  • sedentarismo;
  • insegurança alimentar, com dieta carente em vegetais.

Além desses, a obesidade também é um fator de risco para o desenvolvimento de 11 dos 19 tipos mais frequentes na população brasileira: câncer de pele não melanoma; de mama e de próstata; cólon e reto; pulmão e estômago.

Foto: Canva

Como apontado pela ConVid – Pesquisa de Comportamento, desenvolvido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em parceria com Unicamp e a UFMG, a pandemia da Covid-19 foi um fator que contribuiu ao agravamento desses hábitos, com 62% da população sem praticar atividades físicas e 23% dos fumantes elevando o consumo do cigarro, por exemplo. A qualidade da alimentação da população também caiu e cresceu o percentual de consumo de alimentos não-saudáveis em dois ou mais dias da semana.

Mas, antes mesmo desses eventos, o câncer de mama já estava no topo do ranking como o câncer que mais atinge as mulheres no Brasil. A cultura da não prevenção e da falta de intimidade com o próprio corpo somada ao difícil acesso a exames laboratoriais através da saúde pública são as causas principais dessa conjuntura.

Com taxas mais altas nas regiões Sul e Sudeste, o câncer de mama costuma ser mais frequente a partir dos 50 anos, mas o número de mulheres abaixo dessa faixa etária que têm desenvolvido a doença também vêm crescendo no Brasil e no mundo. As principais causas dessa mudança no perfil das mulheres afetadas deve-se à alteração do estilo de vida, com maior inserção no mercado de trabalho e gestações mais tardias, além dos demais fatores de hábitos de vida e históricos familiares.

Como colocado em outros posts do nosso blog, já existem formas que viabilizam o diagnóstico precoce desse tipo de câncer, o que tem potencial de diminuir a taxa de letalidade em até 90%. Porém, o número de mulheres que mantêm os exames preventivos em dia, como a mamografia, é muito baixo comparado ao necessário para reverter essas estimativas: enquanto 60% das ocorrências de câncer de mama nos Estados Unidos são diagnosticadas nos estágios iniciais. No Brasil, esse índice cai para 20%. Por isso, se você tem acesso, esteja em dia com os exames preventivos.

Conheça o seu corpo, pratique o autoexame e mantenha bons hábitos. São as pequenas atitudes diárias que constroem uma vida mais feliz e tranquila, aposte nisso!

Compartilhe este post com seus amigos

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments