5 Principais dores nas mamas e como tratar

Mulher branca e com cabelos loiros, vestida de uma camisa jeans, com a mão direita sobre a mama do mesmo lado simulando dor, com um tom avermelhado como sombra ao redor.
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

A mastalgia, ou dor nas mamas, é um sintoma comum que atinge cerca de 70% das mulheres no país, sem restrição de idade, segundo a Sociedade Brasileira de Mastologia. A dor (que pode ir de um leve desconforto a quadros mais intensos, afetando o estilo de vida da paciente), é uma das causas principais que levam as mulheres a procurar um mastologista. A principal preocupação costuma ser o medo de ser um sinal indicativo de

câncer de mama. Apesar da necessidade de uma avaliação clínica, em 90% dos casos o câncer de mama é silencioso, ou seja, não causa dor. Então, na maioria das vezes, a mastalgia não está relacionada com a doença. Neste artigo vamos apresentar quais as principais causas da mastalgia e seus respectivos tratamentos.

Os sintomas podem aparecer na fase lútea (última etapa do ciclo menstrual), gravidez ou secundários às alterações hormonais, como as que ocorrem na menopausa. Alguns métodos contraceptivos, como as pílulas hormonais, também estão relacionadas com a mastalgia, Entenda melhor essa classificação:

Foto @gettyimages
  • Mastalgia clínica, geralmente acontece no período menstrual, tem duração de sete dias, podendo ficar mais intensa nos dias que antecedem a menstruação.
  • Mastalgia acíclica, pode ser uma dor constante ou intermitente, é mais comum no período da menopausa e pode estar relacionada aos quadros de inflamação das mamas, algum trauma, cisto mamário ou à gravidez.
  • Mastalgia extramamária, tem relação com a nevralgia intercostal (nervos que se localizam entre as costelas), contratura muscular ( quando o músculo contrai de maneira incorreta e não retorna ao seu estado normal), artrite, fibromialgia, entre outras. Nesse quadro a dor pode ser severa, se estendendo pela axila e braço, dificultando tarefas simples e rotineiras.

Outro fator que pode interferir no aparecimento desse sintoma é a má alimentação. Estudos recentes revelam que há uma relação entre ácidos graxos saturados e insaturados com o estado de hipersensibilidade das mamas. Isso leva à hipótese de que, uma deficiência nos ácidos graxos essenciais pode afetar o funcionamento dos receptores hormonais da mama, causando dor.

Para obter um diagnóstico da causa do problema, o médico pode solicitar exames investigativos, como os de imagem, sangue ou mamografia, a fim de descartar possíveis lesões na mama.

TRATAMENTOS

Segundo a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) a simples informação passada pelo médico sobre a ausência de relação com o câncer de mama resolve o problema em 85% a 90% das mulheres, que passam a conviver com o sintoma como parte do ciclo. No entanto, em caso de dores intensas ou de um rastreamento específico da causa do problema, algumas intervenções podem ser necessárias.

Por exemplo: se a causa for as alterações hormonais durante a menstruação, o médico pode recomendar sutiãs com suporte reforçado e confortável, como os tops, além de uma dieta com baixo teor de gordura. Ele também pode recomendar a eliminação de cafeína e receitar analgésicos, anti-inflamatórios gerais ou tópicos. Já no caso da mastalgia acíclica ou extra mamária, o medicamento será mais específico indicado pelo médico.

Em caso de reposição hormonal durante a menopausa, o mais indicado é procurar um médico para reavaliar o medicamento ou a dose indicada.

Alivie os sintomas:

  • Evite usar sutiã com bojo muito apertado e nunca durma vestida com ele.
  • Evite alimentos estimulantes como café, chás, chocolates e refrigerantes.
  • Algumas mulheres apresentam alívio da dor utilizando o óleo de prímula. Entretanto, por não apresentar efeitos colaterais severos, ele pode ser utilizado, mas se a dor persistir o médico deverá ser consultado.
  • Pratique exercícios físicos regularmente.
  • Compressas frias no local afetado.

Compartilhe este post com seus amigos

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments